mai
4
2011

Já passeou no cemitério?

DSC03085

Ao contrário do que muita gente imagina, passear no cemitério pode ser bem interessante… isso mesmo: pas-se-ar! Muitos cemitérios são verdadeiras aulas de história, são tranquilos, muitos tem árvores frondosas e passarinhos cantando alegremente.

Não se assustem, mas eu era frequentadora de cemitérios quando adolescente. Eu e uma prima adorávamos passear no Cemitério Santo Antônio, um dos mais tradicionais da minha cidade natal, Campo Grande (MS). Sempre encontrávamos túmulos de famílias conhecidas e adorávamos ver as fotos antigas, fora as esculturas das lápides e capelas. Acho bonito.

escultura 2 - Bruno Henriquez

Fui a Londres um tempo atrás e tirei fotos de um cemitério em Earls Court, o Brompton Cemetery, de 1840 e que foi cenário de vários filmes…  pena que não tive tempo de entrar. Então, hoje descobri amigos com gosto em comum e dessa vez a contribuição para o blog é do amigo e ator Jean Cândido Brasileiro. O texto vale muito a pena!

“Desde criança sempre me encantava o clima dos cemitérios, era quase regra visitá-los.  Aproveitava que minha família todos os anos mudava de cidade e gostava de conhecer em cada lugar diferente os cemitérios. Alguns mais antigos, outros mais descuidados, não importava.

Para quem não sabe, o gosto por conhecer cemitérios tem um nome: necroturismo. Em cidades do interior, nos cemitérios mais recentes, pode até parecer desinteressante, mas se considerarmos que só o Brasil tem cemitérios que datam do início do séc. XIX. Para quem viajar pela Europa, as necrópoles são verdadeiros festivais de arte, arquitetura e memória.

Senhora 2 - Bruno Henríquez

No Rio de Janeiro, sempre tive curiosidade de conhecer o Cemitério São João Batista. O local, pertencente à Santa Casa de Misericórdia e foi inaugurado em 1851. Visitei no último feriado de 21 de Abril junto com um amigo, Bruno Henríquez, que também aproveitou para fotografar. O cemitério fica em Botafogo, próximo do Túnel Velho que dá acesso a Copacabana.

Apenas um dia não é o bastante para conhecer todo o cemitério, mas algumas horas já garantem um bom retorno ao passado. No São João Batista é possível conhecer jazigos famosos como de Carmem Miranda, Santos Dumont, Tom Jobim e Cazuza. Além dos famosos, há também intelectuais, políticos, viscondes, barões, o jornalista Roberto Marinho e sua esposa Lily Marinho.

Mas os comuns também fazem história e as lendas também. No cemitério, há o túmulo da menina Elizabeth, falecida em 1968 com seis anos. Conta-se que quando realizou-se a exumação do corpo da menina, anos depois, ele estava intacto. Dezenas de placas em agradecimento a graças alcançadas. Há também a menina Odete, falecida em 1935, que possui diversos milagres a ela atribuídos.

Que seja feita a vossa vontade - Bruno HenriquezNo Rio de Janeiro, outra necrópole muito importante é o Cemitério do Caju (ou São Francisco Xavier), no bairro de mesmo nome. É um dos maiores cemitérios do Brasil. Ali estão enterrados outros importantes brasileiros como Barão do Rio Branco, Clarice Lispector, Dalva de Oliveira e o compositor Noel Rosa.

Apenas um detalhe que deveria ser notado pela administração dos cemitérios e até mesmo da Prefeitura. Muitos jazigos tão antigos quanto belos estão abandonados e servem de depósito de ferramentas, latas de tinta e até bicicletas. Não sei como está no Caju, mas acredito que não deve ser muito diferente. Além disso, a RioTur poderia olhar com mais atenção para mais este ponto turístico da cidade e elaborar um guia de orientação para facilitar a localização de túmulos importantes. Detalhes que poderiam fazer toda diferença.

Você pode achar mórbido, mas experimente tirar uma tarde para se isolar do barulho da cidade e relaxar com uma boa dose de história a céu aberto.”

 

Tá vendo? Não sou só eu a doida, rsrs. Ah! Esqueci de dizer que ainda quero conhecer o cemitério de Botafogo, zona Sul do Rio, citado no texto do Jean. Está na minha lista de turista.

Quer ver mais fotos dos cemitérios? Clique AQUI.

Posts Relacionados

Sobre o autor: Débora Bordin

Tenho mais (bem mais) de 30, sou jornalista (diplomada), radialista, blogueira, especialista em comunicação empresarial e de turismo sustentável, sagitariana, corintiana, matucha-pantaneira-carioca e turista. Apesar de tudo isso, uma boa moça.

14 Comentários+ Comentar

  • Me chamou atenção, o fato de você ter fotografado o tumulo da Dona Zizinha, da Família Ferreira Guimarães, no São João Batista. Só por curiosidade, o que despertou em você a foto?

    • Oi Claudio,
      A foto foi tirada pelo meu amigo que escreveu o guest post, mas acredito que não teve um motivo específico.
      Obrigada pela visita ao blog :)

  • Sei que o post é antigo, mas encontrar pessoas que gostam do mesmo que eu é dificil! Adorei o post! São Joao Batista é um cemitério lindo. Parece que o som da cidade desaparece quando vc cruza os portões. É uma sensação de paz indescritível! O cemitério da Consolação em SP tb é lindíssimo vale a visita! Bjs

    • Oi Melina!
      Não conheço o Consolação, vou colocar na minha agenda :)
      Obrigada pela visita no blog!
      Bjs

  • Finalmente, uma fonte em que diz onde jaz o corpo de Clarice Lispector!

    • Que bom que encontrou o que precisava, Webert :)
      Espero sua visita mais vezes!
      Abs

  • Outra dica de cemitério atraente para visitas: Cemitério do Bom Fim, em Belo Horizonte (MG).
    Por um acaso, é para lá que vou quando fizer a passagem, mas, antes disso, ainda devo uma visita para fotografar.
    Bem similar ao Cemitério São João Batista (RJ), também tem verdadeiras obras de arte em mármore e bronze (há quem diga que há detalhes em ouro em algumas – o que eu duvido). Peças em tamanho real da cena da Santa Ceia e da crucifiação.

    Vale a visita!

  • Em Londres os cemitérios parecem todos mal assombrados…rs…sei lá, acabam combinando com aquele fog todo da cidade, que já tem um astral meio dark….(bom,nunca estive em Londres no verão).

    Mas o cemitério mais lindo que conheço é o da Recoleta, em Buenos Aires. Aquilo é sem dúvida uma obra de arte, ou melhor, muitas obras de arte ! e os gatinhos que vagam por lá ? dão um charme maior ao espetáculo…rsrs

    bjos !

    LuRussa

    • Menina,
      Sabe que minha amiga Rosani (depoimento abaixo) também me falou desse cemitério? Fiquei curiosa… já tá na minha listinha “turística”, rsrs
      Bjos!

  • A D O R O! Muitos acham estranho e perda de tempo, mas a curiosidade não pára em quem morreu. A forma dos jazigos mostra a evolução da arquitetura com o passar dos anos. Também é possível notar o carinho com que os familiares tratam seus mortos.

    Conheça o cemitério da sua cidade. Vale a pena.

    Só não indico o cemitério central de Corumbá/MS em dias de chuva, pois tem muitos insetos e bichinhos comuns na região.

    • Marcado então um passeio no cemitério da capital do Pantanal :D

  • Conheço um cemitério badalado: “Cemitério da Recoleta” localizado na cidade de Buenos Aires. Lá está enterrada a famosa Eva Perón… vale a pena conhecer…

    Sem contar que é cheio de barzinhos em frente ;)

    bjos

    • Anotado!
      Quando eu for, vou no cemitério e nos barzinhos ;)

  • Um misto de morbidez e arte.
    Só acho que você, quando em Paris, devia ter dado um olázinho para o Jim Morrison!
    Estou aguardando meu passeio no São João Batista para dar um oizinho para o Cazuza e vigiar se as diletas senhoras da foto não vagueiam por lá…

    Mt bom!

Leave a comment to Débora Bordin